Saltar navegação. Ir directamente ao conteúdo principal

A MINHA PENSÃO RESPONDE

Está em:

  1. Inicio
  2. Site
  3. Artigo

As famílias portuguesas poupam mais por hábito do que para preparar o seu futuro

Apenas em 3 de cada 10 casos é que a poupança tem como fim claro a reforma, sendo que muitas famílias indicam outros motivos que podem estar ligados de forma indireta com o momento de abandono da vida ativa.

Tempo de leitura: 3 minutos

Partilhar

Imprimir
As famílias portuguesas poupam mais por hábito do que para preparar o seu futuro
A reforma tem um papel importante dentro dos objetivos de poupança das famílias portuguesas, não sendo, no entanto, o motivo principal para a contenção de despesas. O hábito de poupar em si, o costume de não gastar todo o rendimento, e sem ter um objetivo definido, é o que leva, em primeiro lugar, à poupança em cada lar, segundo os dados da sondagem “As pensões e os hábitos de poupança em Portugal”.
 
Assim, 68% dos 346 lares entrevistados que afirmaram conseguir poupar (40% da amostra total) disse fazê-lo unicamente por esse motivo, sem ter uma meta clara.
 
Em segundo lugar, aparece como motivo para poupar a reforma: 31% das famílias que poupam fazem-no para se prepararem para quando alcançarem a idade de reforma, sendo que essa percentagem cresce conforme as pessoas se aproximam dessa idade. Isso quer dizer que, com a aproximação temporal desta contingência, aumenta a atenção para o assunto, mas não é algo que esteja em mente em idades mais jovens.
 
Nas respostas dos entrevistados aparecem também referências ao futuro ou aos imprevistos (4% das famílias), o que pode também estar ligado à reforma, de forma indireta, bem como em algumas situações onde foram indicados motivos diversos e muito dispersos, mas que representam 15% da população que poupa. A compra de casa é indicada em 6% dos lares como motivo de poupança.
 
 

Se gostou deste artigo, receba mais informação através da nossa newsletter

Quero subscrever a newsletter

Deixe o seu comentário

Utilize o formulário abaixo para nos dar a sua opinião. O endereço de e-mail é necessário para entrar em contacto consigo.

Condições de subscrição do serviço do Boletim/Newsletter

Os dados de natureza pessoal (Nome/e-mail) solicitados, serão tratados em conformidade com a Lei de Proteção de Dados Pessoais e utilizados exclusivamente com a finalidade de subscrição do serviço do Boletim/Newsletter, através do qual o utilizador autoriza o envio de notícias e novidades de interesse sobre as matérias cobertas pelo website.

Os referidos dados pessoais serão incorporados num ficheiro da responsabilidade do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., que garantirá a sua correta utilização e a sua confidencialidade e salvaguarda, nos termos previstos na Lei n.º 67/98, de 26 de Outubro (Lei de Proteção de Dados).

Política de protecção de dados

Em cumprimento do disposto na Lei n.º 67/98, de 26 de Outubro (Lei de Protecção de Dados Pessoais), que estabelece o direito de informação dos titulares dos dados pessoais, informamos que os dados pessoais fornecidos serão incorporados num ficheiro informático, sob responsabilidade do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., que garantirá a sua confidencialidade e segurança, com a finalidade exclusiva de subscrições da newsletter “A minha pensão”, através do website http://www.aminhapensao.pt

Poderá alterar ou suprimir o seu consentimento a qualquer momento, sem efeitos retroactivos, mediante comunicação por escrito para a direcção de correio electrónico que figura no final da presente nota.

Poderá exercer o seu direito de acesso, rectificação, cancelamento ou oposição ao tratamento dos seus dados pessoais nos termos estabelecidos na lei, através de contacto escrito com o Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., enquanto responsável pelo tratamento, através do endereço Av. Liberdade 222, 1250-148 Lisboa ou ainda usando o endereço de correio electrónico aminhapensao.pt@bbva.com.

Comentários

Carregando...

Ainda não há comentários