Saltar navegação. Ir directamente ao conteúdo principal

Partilhar

  • Youtube
  • RSS

ES

Instituto BBVA de Pensões

Está em:

  1. Inicio
  2. Site
  3. Artigo

Três quartos dos portugueses estão bastante ou muito preocupados com a sua reforma

O assunto preocupa mais a população feminina que a masculina, e também aumenta com a idade.
Três quartos dos portugueses estão bastante ou muito preocupados com a sua reforma

19 de Novembro de 2013 | 00:00

A reforma é uma questão que preocupa muito a população portuguesa, o que se depreende das conclusões da sondagem “As pensões e os hábitos de poupança em Portugal”.
 
Segundo os dados, três em cada quatro portugueses com menos de 65 anos estão bastante (em 26% dos casos) ou muito preocupados (em 45% dos casos) com a reforma. 14% mostra-se algo preocupado e 14% pouco ou nada. De entre estes últimos, apenas 6% manifesta que a reforma não os preocupa em absoluto.
 
Desta forma, pode dizer-se que para mais de 9 em cada 10 portugueses o momento da reforma os preocupa, mesmo que em diferentes medidas. Numa escala de 1 a 5, na qual 1 significa nada e 5 significa muito, a média da preocupação situar-se-ia em 4, de acordo com o estudo.
 
Por grupos, o assunto preocupa mais a população feminina que a masculina, dado que são as mulheres que dão prioridade a questões como a segurança e o conforto, e também as pessoas com mais idade.
 

Preocupação crescente com a idade

 
De acordo com o estudo, entre os que se declaram bastante ou muito preocupados com a reforma, estão 51% dos portugueses entre os 18 e os 25 anos de idade, mas este número aumenta até aos 65% entre os 26 e 35 anos, e chega aos 73% na população com idades compreendidas entre os 36 e os 45 anos.
 
O número dispara para os 82% entre aqueles que estão entre os 46 e 55 anos e para os 85% entre os 56 e 65 anos. O que quer dizer que quatro em cada cinco portugueses com mais de 45 anos e menos de 65 que ainda não se reformaram mas que estão mais próximos desse momento mostram-se muito ou bastante preocupados com a sua reforma.
 

Se gostou deste artigo, receba mais informação através da nossa newsletter

Quero subscrever a newsletter

0 Comentários

Utilize o formulário abaixo para nos dar a sua opinião. O endereço de e-mail é necessário para entrar em contacto consigo.