Saltar navegação. Ir directamente ao conteúdo principal

A MINHA PENSÃO RESPONDE

Está em:

  1. Inicio
  2. Site
  3. Artigo

Seis dicas para tirar partido do plano de estímulo do BCE

O cenário económico com taxas de juro baixas e de escasso retorno nos depósitos irá prolongar-se por bastante mais tempo. E as opções para obter rentabilidade passarão por assumir alguns riscos. Mas com cautela.

Tempo de leitura: 3 minutos

Partilhar

Imprimir
Seis dicas para tirar partido do plano de estímulo do BCE

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou que irá realizar um programa de compra de dívida de 60 mil milhões de euros mensais até 2016, com o objetivo de contrariar a baixa inflação para estimular o consumo privado e incentivar a reativação do crédito.
Eis algumas recomendações a ter em conta pelos particulares nas suas poupanças, perante este novo cenário.
 

1. O travão na deflação é uma porta para os investidores de maior risco

A recuperação do nível dos preços, um dos objetivos do BCE, é positiva para os investidores mais aventureiros, que assumem um maior risco nos seus investimentos.
 

2. A redução do prémio de risco abrirá a torneira do crédito

Sim, embora seja um processo lento e não imediato. Tem um efeito sobre o financiamento dos bancos, quando estes emitem obrigações – e se as instituições financeiras são capazes de pedir dinheiro emprestado mais barato e em maior quantidade, poderão igualmente emprestá-lo de forma mais barata para que as empresas invistam e para que as famílias consumam. No entanto, devemos estar atentos aos critérios de risco que os bancos definem para a concessão desses créditos.
 

3. A queda do euro é uma vantagem competitiva para as empresas

Após as medidas do BCE, o normal é que o euro esteja em paridade com o dólar, pelo que investir em dólares pode ser uma boa oportunidade, aproveitando a queda da moeda comunitária.
 

4. Uma pausa para as hipotecas indexadas à Euribor

Estas podem ver-se beneficiadas com uma redução das taxas.
 

5. Investir em dívida corporativa?

Espera-se uma redução na rentabilidade da dívida soberana em euros. A dívida corporativa na moeda comunitária pode ser uma alternativa de rentabilidade, mantendo sempre a atenção ao ratingdas empresas e aos títulos de highyield.
 

6. Agora, mais do que nunca, é essencial ter aconselhamento profissional

O cenário de taxas de juro baixas e rentabilidade baixa nos depósitos irá prolongar-se por mais tempo e as opções para obter um retorno suculento passarão por assumir alguns riscos. A primeira regra que devemos ter em conta é que não existe o produto perfeito. Em segundo lugar, é preciso sempre ter em conta o perfil de investimento de cada pessoa. E a terceira regra fundamental: não devemos investir em algo que não entendemos. Por isso, no panorama atual, o aconselhamento profissional é mais importante que nunca.






 

Subscrição do boletim informativo

Se gostou deste artigo, receba mais informação através da nossa newsletter

Recolhemos os seus dados pessoais (Nome / E-mail) com a finalidade de subscrição do serviço do Boletim/Newsletter, através do qual será informado sobre as novidades ou notícias de interesse sobre as atividades que realizamos.Os referidos dados serão incorporados num ficheiro sob a responsabilidade do BANCO BILBAO VIZCAYA ARGENTARIA, S.A. (doravante "BBVA").

Conservaremos os seus dados pessoais durante o período de vigência do serviço ou até que nos solicite o cancelamento do mesmo.

Quero subscrever a newsletter

Deixe o seu comentário

Utilize o formulário abaixo para nos dar a sua opinião. O endereço de e-mail é necessário para entrar em contacto consigo.

Recogemos tus datos de carácter personal (Nombre/E-mail) con la finalidad de hacer uso del servicio de Comentarios, dejándonos tu opinión personal. Os referidos dados serão incorporados num ficheiro sob a responsabilidade do BANCO BILBAO VIZCAYA ARGENTARIA, S.A. (doravante "BBVA").

Conservaremos os seus dados pessoais durante o período de vigência do serviço ou até que nos solicite o cancelamento do mesmo.

Comentários

Carregando...

Ainda não há comentários

24 de Fevereiro de 2015 | 21:00