Saltar navegação. Ir directamente ao conteúdo principal

A MINHA PENSÃO RESPONDE

Está em:

  1. Inicio
  2. Site
  3. Artigo

O perfil de risco na poupança para a reforma

A poupança para a reforma é um processo de longo curso, pelo que convém dar-lhe início o quanto antes. Mas a sua implementação não é igual em todas as fases da nossa vida.

Tempo de leitura: 3 minutos

Partilhar

Imprimir
O perfil de risco na poupança para a reforma

Já falámos em outras ocasiões da importância de planificar a nossa pensão de reforma desde uma idade o mais jovem possível. Portugal é um país que beneficia de um sistema de segurança social, através do qual são cobertas necessidades importantes como os cuidados de saúde ou a atribuição de pensões aos aposentados.

E o futuro do sistema passa por continuar a ter um sistema público de pensões, contudo, para garantir a sua sustentabilidade, é importante levar a cabo algumas mudanças, muitas das quais já se encontram em marcha e outras em fase de projeto, e que podem ter influência na nossa futura pensão de reforma.

Porque é importante poupar para a reforma?

Chegar à reforma é um marco importante na vida de uma pessoa em vários aspetos. Um deles é o facto de se terminar uma relação profissional, quer seja por conta de outrem ou por conta própria, para se passar a uma etapa de inatividade. Isto tem um impacto direto sobre os rendimentos, já que a pensão de reforma normalmente representa uma percentagem do último salário da vida ativa. A saúde do sistema e a eficácia das mudanças desenvolvidas levarão a que esse diferencial, também conhecido como "taxa de substituição", seja maior ou menor. 

Portanto, dependendo de algumas variáveis pessoais, como o nível de vida que desejamos manter, ou a nova estrutura de despesas que enfrentamos uma vez reformados, a maioria das pessoas irá necessitar de complementar a pensão pública com poupança privada para desfrutar de uma pensão de reforma de acordo com as suas expectativas.

O perfil de risco

O perfil de risco de uma pessoa que pretende poupar é definido, em termos simples, pelo nível de risco que pode assumir. Recorde-se que, quanto maior retorno pretendemos obter de uma poupança, maior é o nível de risco que estaremos dispostos a assumir. Não há fórmulas mágicas para evitar este binómio.

Existem tantos perfis de risco como pessoas, já que cada uma tem as suas próprias particularidades e variáveis a considerar. Eis uma classificação simples e adotada com frequência:

- Poupador conservador: Procura preservar o seu capital, evitando riscos.

- Poupador moderado: Pode assumir algum risco, procurando um retorno algo maior.

- Poupador decidido: Tem margem de manobra para assumir riscos maiores, esperando obter retornos mais elevados.

Como aplicar a poupança para a sua pensão de reforma?

 Por vezes partimos da ideia errada de que a poupança é uma simples prática de acumulação e de investimento de capital, independentemente de outras circunstâncias, quando na realidade é uma tarefa que requer planeamento: analisar o ponto de partida, onde queremos chegar, qual o prazo de que dispomos, etc. 
No caso da poupança para a reforma, não é uma exceção. Vejamos quais os principais fatores a ter em conta: 


1 - Poupar para a pensão de reforma é um dos objetivos de poupança mais importantes da nossa vida, já que tem impacto muito direto numa fase da vida em que estamos limitados ao nível da atividade profissional e em que os nossos rendimentos são menores. Por isso, devemos ser muito cautelosos com a poupança e perceber de forma muito clara em que fases podemos assumir riscos ou não. 


2 - A reforma, apesar de ser um objetivo que está distante no tempo, requer uma planificação com muita antecedência. Em primeiro lugar, para distribuir o esforço de poupança por um período de vários anos. Em segundo lugar, para aproveitar os primeiros anos de vida profissional, nos quais temos margem para correr alguns riscos controlados. 


3 - No processo de poupança para a pensão de reforma, como referimos anteriormente, é provavelmente onde mais claro se torna que o perfil de risco vai evoluindo. No início, com um horizonte temporal grande até à reforma, podemos ser "decididos". Podemos, pois temos margem de manobra para procurar um maior retorno e deixar que as nossas poupanças "trabalhem" a médio prazo em produtos com uma componente de risco que, em prazos médios e longos, apresentam normalmente resultados positivos. Numa fase intermédia, entre o início da nossa vida profissional e a reforma, vamos tendo margem de manobra, mas logicamente esta será menor. Podemos assumir investimentos com uma certa componente de risco, mas de uma forma mais controlada. O nosso perfil de risco é "moderado". À medida que nos aproximamos da reforma, o objetivo prioritário deverá ser consolidar a poupança e transferi-la para produtos de poupança cujo foco é a preservação do capital. Após muitos anos de esforço de poupança teremos reunido um capital considerável cujo destino é de máxima importância: complementar a nossa pensão de reforma pública. Nesta fase o nosso perfil é "conservador": não podemos comprometer a nossa missão.

Como vemos, a poupança para a pensão de reforma é como uma viagem de comboio de longo curso, na qual é importante saber em que estações devemos sair de uma carruagem para entrar noutra, mais adequada ao nosso destino.

Se gostou deste artigo, receba mais informação através da nossa newsletter

Quero subscrever a newsletter

Deixe o seu comentário

Utilize o formulário abaixo para nos dar a sua opinião. O endereço de e-mail é necessário para entrar em contacto consigo.

Condições de subscrição do serviço do Boletim/Newsletter

Os dados de natureza pessoal (Nome/e-mail) solicitados, serão tratados em conformidade com a Lei de Proteção de Dados Pessoais e utilizados exclusivamente com a finalidade de subscrição do serviço do Boletim/Newsletter, através do qual o utilizador autoriza o envio de notícias e novidades de interesse sobre as matérias cobertas pelo website.

Os referidos dados pessoais serão incorporados num ficheiro da responsabilidade do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., que garantirá a sua correta utilização e a sua confidencialidade e salvaguarda, nos termos previstos na Lei n.º 67/98, de 26 de Outubro (Lei de Proteção de Dados).

Política de protecção de dados

Em cumprimento do disposto na Lei n.º 67/98, de 26 de Outubro (Lei de Protecção de Dados Pessoais), que estabelece o direito de informação dos titulares dos dados pessoais, informamos que os dados pessoais fornecidos serão incorporados num ficheiro informático, sob responsabilidade do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., que garantirá a sua confidencialidade e segurança, com a finalidade exclusiva de subscrições da newsletter “A minha pensão”, através do website http://www.aminhapensao.pt

Poderá alterar ou suprimir o seu consentimento a qualquer momento, sem efeitos retroactivos, mediante comunicação por escrito para a direcção de correio electrónico que figura no final da presente nota.

Poderá exercer o seu direito de acesso, rectificação, cancelamento ou oposição ao tratamento dos seus dados pessoais nos termos estabelecidos na lei, através de contacto escrito com o Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., enquanto responsável pelo tratamento, através do endereço Av. Liberdade 222, 1250-148 Lisboa ou ainda usando o endereço de correio electrónico aminhapensao.pt@bbva.com.

Comentários

Carregando...

Ainda não há comentários