Saltar navegação. Ir directamente ao conteúdo principal

A MINHA PENSÃO RESPONDE

Está em:

  1. Inicio
  2. Site
  3. Artigo

Como contribuir para um plano de poupança sem esperar pelo fim do ano

Além da contribuição única nos seus planos de poupança, existe uma possibilidade de fazer contribuições periódicas. Conheça as vantagens.

Tempo de leitura: 3 minutos

Partilhar

Imprimir
Como contribuir para um plano de poupança sem esperar pelo fim do ano

As contribuições que uma pessoa pode fazer num plano de poupança podem ser distribuídas ao longo do ano, de acordo com as circunstâncias pessoais. Embora possa existir um valor mínimo para cada contribuição, ele é, geralmente, de valor reduzido.

Uma grande parte das pessoas prefere concentrar o seu investimento numa única contribuição anual. Apesar da diminuição dos benefícios fiscais associados aos produtos de poupança para a reforma – já não sendo tão relevante fazer coincidir a data das entregas com o ano fiscal - muitos clientes continuam a efectuar as suas contribuições em Dezembro, seja por uma questão de hábito, seja pela necessidade das pessoas fazerem um balanço dos seus assuntos pendentes antes do ano terminar. Assim, nesta época nota-se um aumento considerável na movimentação de clientes nas entidades financeiras.

Esta estratégia de fazer uma contribuição anual única é bastante frequente. Mas existe outra forma, que consiste em fazer contribuições periódicas (mensais, trimestrais, semestrais) que, no que toca à planificação financeira a longo prazo, traz benefícios.

Exemplo comparativo:

  • Se fizermos uma única contribuição anual, por exemplo, a 27 de Dezembro, vamos estar a comprar unidades de participação de um fundo ao valor desse dia, mas não esqueçamos que o que estamos a adquirir são unidades de participação cujo valor varia diariamente. Vamos supor que nesse dia, as unidades têm um preço de 10 euros, cada uma.
  • Se, pelo contrário, decidirmos dividir a nossa contribuição anual em três momentos ao longo do ano, iremos encontrar-nos numa situação deste género:
  • 27 de Abril, em que as unidades de participação têm um preço, por exemplo, de 10,2 euros.
  • 27 de Agosto, em que as unidades de participação têm um preço, por exemplo, de 9,5 euros.
  • 27 de Dezembro, em que as unidades de participação têm um preço, como já vimos, de 10 euros.

Percebemos que, se optarmos pela contribuição única, no exemplo anterior teríamos feito a contribuição no plano de poupança a um valor de compra de 10 euros. Porém, se tivéssemos optado pela possibilidade de repartir em três contribuições ao longo do ano, iríamos ter um preço médio, como resultado da ponderação das três diferentes contribuições. Neste caso, supondo que optamos por três contribuições com o mesmo valor, teríamos comprado unidades de participação do fundo a um preço médio de 9,9 euros. Ou seja, em média, compramos por um valor mais baixo.

É claro que o resultado desta análise depende de como evolui o preço das unidades de participação. Mas de forma geral, a opção de fazer contribuições periodicamente é mais estável e diversificada, pois conduz a um preço médio, evitando a possibilidade de se entrar num pico do mercado, o que pode acontecer quando se investe de uma só vez.


Se gostou deste artigo, receba mais informação através da nossa newsletter

Quero subscrever a newsletter

Deixe o seu comentário

Utilize o formulário abaixo para nos dar a sua opinião. O endereço de e-mail é necessário para entrar em contacto consigo.

Condições de subscrição do serviço do Boletim/Newsletter

Os dados de natureza pessoal (Nome/e-mail) solicitados, serão tratados em conformidade com a Lei de Proteção de Dados Pessoais e utilizados exclusivamente com a finalidade de subscrição do serviço do Boletim/Newsletter, através do qual o utilizador autoriza o envio de notícias e novidades de interesse sobre as matérias cobertas pelo website.

Os referidos dados pessoais serão incorporados num ficheiro da responsabilidade do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., que garantirá a sua correta utilização e a sua confidencialidade e salvaguarda, nos termos previstos na Lei n.º 67/98, de 26 de Outubro (Lei de Proteção de Dados).

Política de protecção de dados

Em cumprimento do disposto na Lei n.º 67/98, de 26 de Outubro (Lei de Protecção de Dados Pessoais), que estabelece o direito de informação dos titulares dos dados pessoais, informamos que os dados pessoais fornecidos serão incorporados num ficheiro informático, sob responsabilidade do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., que garantirá a sua confidencialidade e segurança, com a finalidade exclusiva de subscrições da newsletter “A minha pensão”, através do website http://www.aminhapensao.pt

Poderá alterar ou suprimir o seu consentimento a qualquer momento, sem efeitos retroactivos, mediante comunicação por escrito para a direcção de correio electrónico que figura no final da presente nota.

Poderá exercer o seu direito de acesso, rectificação, cancelamento ou oposição ao tratamento dos seus dados pessoais nos termos estabelecidos na lei, através de contacto escrito com o Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., enquanto responsável pelo tratamento, através do endereço Av. Liberdade 222, 1250-148 Lisboa ou ainda usando o endereço de correio electrónico aminhapensao.pt@bbva.com.

Comentários

Carregando...

Ainda não há comentários