Saltar navegação. Ir directamente ao conteúdo principal

A MINHA PENSÃO RESPONDE

Está em:

  1. Inicio
  2. Site
  3. Artigo

Porque deve começar a poupar o quanto antes?

Dessa forma consegue-se acumular mais capital (sempre que a poupança seja constante), a poupança é feita de um modo mais eficaz e, ao investir numa idade mais jovem, pode-se assumir um risco maior, o que em teoria pode gerar maior retorno.

Tempo de leitura: 3 minutos

Partilhar

Imprimir
Porque deve começar a poupar o quanto antes?

© Wavebreak Media - www.photaki.com

Os especialistas recomendam que se comece a poupar o mais cedo possível para que se consiga acumular uma quantia considerável para a reforma. Porque o fazem? Qual é a razão pela qual estas recomendações indicam que a poupança é mais vantajosa quanto mais cedo tiver início? Esta é grande dúvida: quando se deve começar a poupar para a reforma? A resposta é simples: o tempo é um bom aliado da poupança porque pode ajudar a reduzir os seus custos e faz com que a poupança necessária para obter um rendimento futuro seja menor. Em suma: o tempo facilita a poupança para a reforma.

Um exemplo: suponhamos que, ao nascer, os seus familiares depositam 1.000 euros numa conta poupança, e que os seus pais investiram num produto que oferece retorno anual de 6%. Se não mexer nesta conta até atingir os 65 anos, esse dinheiro rentabiliza-se até aos 44.145 euros. Se decidir manter o dinheiro numa conta e decidir investir pelos 16 anos, aos 65 terá 17.378 euros, e se começar investir aos 40 anos, terá apenas 4.292 euros, num produto com rentabilidade idêntica.

Isto consegue-se graças às três vantagens de investir com tempo: consegue-se acumular mais capital (sempre que a poupança seja constante), a poupança é mais eficaz devido à força da capitalização e também o facto de a poupança em idades mais jovens permitir assumir um risco maior - o que teoricamente leva a uma maior rentabilidade, com a segurança do investimento a longo prazo, recuperando potenciais perdas.

Como usar o tempo a meu favor?

O tempo pode ser usado a favor de quem poupa por várias razões. Em primeiro lugar, porque para construir um capital futuro pode escolher-se entre o tempo ou o valor como sendo o elemento mais importante. No caso de os rendimentos serem baixos, pode contrariar-se este problema começando a poupar mais cedo. Quando se é jovem, podem poupar-se valores pequenos e, mesmo assim, terminar com milhares de euros. Mas, quanto mais tempo se espera, mais dinheiro será necessário poupar para compensar o tempo perdido e o esforço que terá de se fazer nos anos mais próximos da reforma será maior. Quando se começa a poupar mais tarde, é necessário compensar esse atraso com dinheiro, ou procurar rentabilidades mais elevadas, o que pressupõe também um risco maior, perigoso em alguns casos, se se estiver perto da idade da reforma.

Assim, começar a poupar antes permite chegar a um mesmo objectivo de capital com menos dinheiro, pois as condições de rentabilidade são as mesmas. E permite também assumir um risco moderado se assim se preferir, ou obter nos primeiro anos um maior retorno assumindo risco e reduzindo-o nos anos mais próximos da reforma. Resumindo, começar a poupar o mais cedo possível diminui o custo da poupança e contribui para uma vida mais tranquila.

Por exemplo, uma pessoa que aos 30 anos tenha começado a poupar 50 euros por mês, com uma rentabilidade de 3% nessa poupança, na idade de se reformar terá mais de 36.000 euros. Mas outra pessoa que tenha começado a fazê-lo com 50 anos, com a mesma rentabiliddae, apenas chegará aos 11.000 euros, ou seja, três vezes menos.

Ao estabelecer um objectivo de poupança na ordem dos 40.000 euros, no primeiro caso a pessoa tem sucesso, mas no segundo caso será preciso poupar muito mais que 50 euros por mês para atingir o valor desejado. Ou procurar produtos que ofereçam lucros muito maiores, uma decisão arriscada em alguns casos, tendo em conta que apenas faltam 15 anos para a reforma e que a volatidade do mercado financeiro poderá pregar partidas.

Se gostou deste artigo, receba mais informação através da nossa newsletter

Quero subscrever a newsletter

Deixe o seu comentário

Utilize o formulário abaixo para nos dar a sua opinião. O endereço de e-mail é necessário para entrar em contacto consigo.

Condições de subscrição do serviço do Boletim/Newsletter

Os dados de natureza pessoal (Nome/e-mail) solicitados, serão tratados em conformidade com a Lei de Proteção de Dados Pessoais e utilizados exclusivamente com a finalidade de subscrição do serviço do Boletim/Newsletter, através do qual o utilizador autoriza o envio de notícias e novidades de interesse sobre as matérias cobertas pelo website.

Os referidos dados pessoais serão incorporados num ficheiro da responsabilidade do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., que garantirá a sua correta utilização e a sua confidencialidade e salvaguarda, nos termos previstos na Lei n.º 67/98, de 26 de Outubro (Lei de Proteção de Dados).

Política de protecção de dados

Em cumprimento do disposto na Lei n.º 67/98, de 26 de Outubro (Lei de Protecção de Dados Pessoais), que estabelece o direito de informação dos titulares dos dados pessoais, informamos que os dados pessoais fornecidos serão incorporados num ficheiro informático, sob responsabilidade do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., que garantirá a sua confidencialidade e segurança, com a finalidade exclusiva de subscrições da newsletter “A minha pensão”, através do website http://www.aminhapensao.pt

Poderá alterar ou suprimir o seu consentimento a qualquer momento, sem efeitos retroactivos, mediante comunicação por escrito para a direcção de correio electrónico que figura no final da presente nota.

Poderá exercer o seu direito de acesso, rectificação, cancelamento ou oposição ao tratamento dos seus dados pessoais nos termos estabelecidos na lei, através de contacto escrito com o Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., enquanto responsável pelo tratamento, através do endereço Av. Liberdade 222, 1250-148 Lisboa ou ainda usando o endereço de correio electrónico aminhapensao.pt@bbva.com.

Comentários

Carregando...

Ainda não há comentários