Saltar navegação. Ir directamente ao conteúdo principal

A MINHA PENSÃO RESPONDE

Está em:

  1. Inicio
  2. Site
  3. Artigo

O aumento da esperança de vida é um risco assegurável? Cobrindo o que não pode ser coberto

Jorge Miguel Bravo y Díaz-Giménez analisam neste trabalho o papel que assume o aumento da nossa longevidade como um risco passível de ser seguro.

Tempo de leitura: 3 minutos

Partilhar

Imprimir
O aumento da esperança de vida é um risco assegurável? Cobrindo o que não pode ser coberto

Algures no século XVIII, Benjamin Franklin afirmou que na vida, "nada é seguro, exceto a morte e os impostos". A adaptação para o século XXI desta célebre citação poderia ser "nada é seguro, exceto que vamos todos viver mais tempo e os impostos". Os riscos que o aumento da nossa esperança de vida trazem, são críticos para as instituições responsáveis por pagar rendas vitalícias, como é o caso dos fundos de pensões, seguradoras e sistemas públicos de pensões.

O montante das obrigações não financiadas que estas instituições terão de enfrentar será enorme se os seus beneficiários viverem consideravelmente mais do que o esperado.

ACEDA ao DOCUMENTO de ANÁLISE sobre o Aumento da esperança de vida e se é um risco segurável (0,6 Mb): (ESP) (ING)

Este artigo aborda o problema do risco de longevidade e analisa as formas pelas quais indivíduos, entidades responsáveis por seguros de vida, fundos de pensões e seguradoras podem gerir sua exposição a esse risco.

Analisaremos se o mecanismo do seguro tradicional, que envolve a transferência e o agrupamento de riscos, pode lidar adequadamente com o risco do aumento da longevidade. Em seguida, refletiremos sobre algumas soluções para a gestão deste risco, que incluem técnicas tradicionais de seguro e resseguro, bem como a adoção de instrumentos de mercado de capitais recentemente desenvolvidos.

Este risco da longevidade, que não é mais que a incerteza sobre a evolução da nossa expectativa de vida, afeta os provedores de pensões as seguradoras e os governos. A estrutura da população dos países desenvolvidos tende cada vez mais para o amadurecimento e os efeitos sobre o aumento da esperança de vida introduzidos pelos avanços na medicina e na melhoria dos nossos estilos de vida são, em certa medida, imprevisíveis. Até há bem pouco tempo, a importância do risco de longevidade não tinha sido totalmente reconhecida. De um ponto de vista individual, a capacidade de nos protegermos perante a expectativa de viver por mais tempo depende da existência de uma oferta adequada a essa realidade, ou seja, que tenhamos disponíveis várias opções de rendas de carácter vitalício. Para quem as paga, a capacidade de cumprir as suas obrigações ou promessas depende, em grande parte, de quão bem esse risco poderá ser gerido.

As possibilidades de mitigação deste risco diferem entre as diferentes instituições. Normalmente, os sistemas públicos de pensões são capazes de reduzir seus benefícios e aumentar suas contribuições. Nesses esquemas, o risco de longevidade é transferido para os seus contribuintes que passam a receber menos ou a pagar mais para compensar estes aumentos imprevistos na duração das suas responsabilidades de pagamento. Este cenário ocorreu, de fato, em muitos países da OCDE durante as últimas décadas. Em contrapartida, as entidades privadas que gerem fundos de pensões, rendas vitalícias ou seguros, geralmente, não têm esse tipo de oportunidades.

Normalmente, as suas obrigações são fixas, o que as torna muito mais vulneráveis ao aumento da longevidade. Portanto, conseguir uma mitigação do risco de longevidade adequada e eficiente é, para essas instituições, algo de grande relevância, do ponto de vista micro e macroeconômico.

Diversos instrumentos relacionados com longevidade têm sido propostos para gerir de forma mais eficiente o risco trazido pelo aumento da esperança de vida. Esses instrumentos incluem obrigações de longevidade e mortalidade, swaps de longevidade e contratos q-forward. Analisámos como esses instrumentos podem ser usados para cobrir a exposição aos riscos trazidos pelo aumento da longevidade em pensões ou obrigações de seguros de vida. Dados recentes sugerem que a procura por instrumentos que se possam vincular ao aumento da longevidade é uma realidade e que está a aumentar. As opções tradicionais baseadas em seguros e as novas soluções do mercado de capitais para cobrir o risco de longevidade não são um substituto para uma gestão de risco adequada, mas podem ser úteis para aquelas instituições que querem lidar seriamente com a sua exposição a estes problemas. Uma vez resolvidas as dificuldades associadas à criação de um novo mercado de valores líquidos vinculados ao aumento da esperança de vida, estes terão que se desenvolver e amadurecer adequadamente mas serão essenciais para fornecer às seguradoras e gestores de fundos, ferramentas úteis especificamente projetadas para gerir estes novos riscos.

Provavelmente, estamos a assistir ao nascimento de uma classe completamente nova de ativos que enriquecerão o mercado financeiro global do futuro.

ACEDA ao DOCUMENTO de ANÁLISE sobre o Aumento da esperança de vida e se é um risco segurável (0,6 Mb):  (ESP) (ING)

Subscrição do Boletim do Fórum de Especialistas

O Fórum de Especialistas do Instituto BBVA de Pensões publica mensalmente um Boletim, com as novidades mais relevantes em matéria de pensões e reforma. Subscreva o Boletim

Subscreva e receba agora o Boletim do Fórum de Especialistas

Recolhemos os seus dados pessoais (Nome / E-mail) com a finalidade de subscrição do serviço do Boletim/Newsletter, através do qual será informado sobre as novidades ou notícias de interesse sobre as atividades que realizamos.Os referidos dados serão incorporados num ficheiro sob a responsabilidade do BANCO BILBAO VIZCAYA ARGENTARIA, S.A. (doravante "BBVA").

Conservaremos os seus dados pessoais durante o período de vigência do serviço ou até que nos solicite o cancelamento do mesmo.

Motor de Busca do Fórum de especialistas

Data de publicação

Deixe o seu comentário

Utilize o formulário abaixo para nos dar a sua opinião. O endereço de e-mail é necessário para entrar em contacto consigo.

Recogemos tus datos de carácter personal (Nombre/E-mail) con la finalidad de hacer uso del servicio de Comentarios, dejándonos tu opinión personal. Os referidos dados serão incorporados num ficheiro sob a responsabilidade do BANCO BILBAO VIZCAYA ARGENTARIA, S.A. (doravante "BBVA").

Conservaremos os seus dados pessoais durante o período de vigência do serviço ou até que nos solicite o cancelamento do mesmo.

Comentários

Carregando...

Ainda não há comentários