Saltar navegação. Ir directamente ao conteúdo principal

A MINHA PENSÃO RESPONDE

Está em:

  1. Inicio
  2. Site
  3. Artigo

Gerir as expectativas relativamente à reforma

A altura da reforma aproxima-se e as expectativas são bastantes. Terei conseguido poupar o suficiente para conseguir uma reforma que me permita manter o meu nível de vida? Se me reformar antes do previsto, irei ser muito penalizado? Estas e outras questões atravessam a mente de quem se prepara para terminar a atividade profissional e entrar no período dourado da reforma.

Tempo de leitura: 3 minutos

Partilhar

Imprimir
Gerir as expectativas relativamente à reforma

Shutterstock

Procurar informação e aconselhar-se com o seu banco são procedimentos muito importantes, para que possa tomar decisões acertadas e que afetem de forma positiva o seu rendimento à altura da reforma. Da mesma forma, para que a realidade vá ao encontro das suas expectativas, é fundamental estar atento às mudanças estruturais que acontecem no sistema de Segurança Social, derivadas de decisões políticas e económicas.
 
Ainda mais quando se está na reta final e a poucos anos da reforma. A recente alteração da idade de reforma para os 66 anos, por exemplo, é uma medida que afeta uma grande parte da população que planeava reformar-se aos 65 anos.
 
Mesmo assim, são muitas as pessoas que não estão a par de alterações estruturais no que diz respeito à Segurança Social. No recente estudo “As Pensões e os Hábitos de Poupança em Portugal” desenvolvido pelo Instituto BBVA de Pensões percebe-se que a grande maioria da população (71%) não ouviu falar da reforma da Segurança Social ocorrida em 2007, sendo que a percentagem que acompanhou essas mudanças é maior entre as pessoas com mais idade e de classes sociais mais altas. Entre as pessoas informadas, os aspetos gerais, como a idade da reforma, e os aspetos económicos, como o fator de sustentabilidade ou a indexação foram os temas mais retidos.
 
Jorge Miguel Bravo e José A. Herce, investigadores e consultores na área das pensões, alertam que “as pensões são demasiado importantes para serem deixadas nas mãos de especialistas”. Num relatório sobre os sistemas de pensões em Portugal e em Espanha, reforçam que a população deve estar “profundamente envolvida na compreensão e monitorização dos sistemas que a afeta diretamente”.
 
Os autores defendem ainda que num futuro não muito distante a tendência será a intensificação dos diferentes regimes. “A evolução demográfica em curso, essencialmente caracterizada por um aumento da longevidade, garante que os regimes de pensões devam estar em constante mudança e adaptação o que, no geral, exigirá um maior esforço por parte dos trabalhadores e dos futuros pensionistas”, observam.
 

A importância da poupança complementar

De acordo com o estudo sobre os hábitos de poupança em Portugal divulgado pelo Instituto BBVA de Pensões, uma grande percentagem de pessoas mostra-se pessimista em relação à evolução do valor das pensões no futuro (cerca de 40%, um valor que ainda assim é menor que o registado no ano anterior, que rondava os 57%). Ou seja, acreditam que, caso se reformassem neste momento, a pensão de agora seria maior do que aquela que irão receber quando de facto atingirem a idade da reforma.
Essa crença e pessimismo deve-se, sobretudo, à crise económica e aos aspetos demográficos que observam no dia a dia. Mas são também bastantes as pessoas que esperam receber uma reforma maior do que a que receberiam se se reformassem hoje (cerca de 37%).
 
Bastante vincada é a convicção de que, para conseguir uma reforma adequada à manutenção do nível de vida, é necessário fazer poupança complementar. A poupança ao longo da carreira profissional é entendida como uma necessidade perante a reforma para 89% dos portugueses, dando origem a um comportamento de poupança para 33% da população.

 

Se gostou deste artigo, receba mais informação através da nossa newsletter

Quero subscrever a newsletter

Deixe o seu comentário

Utilize o formulário abaixo para nos dar a sua opinião. O endereço de e-mail é necessário para entrar em contacto consigo.

Condições de subscrição do serviço do Boletim/Newsletter

Os dados de natureza pessoal (Nome/e-mail) solicitados, serão tratados em conformidade com a Lei de Proteção de Dados Pessoais e utilizados exclusivamente com a finalidade de subscrição do serviço do Boletim/Newsletter, através do qual o utilizador autoriza o envio de notícias e novidades de interesse sobre as matérias cobertas pelo website.

Os referidos dados pessoais serão incorporados num ficheiro da responsabilidade do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., que garantirá a sua correta utilização e a sua confidencialidade e salvaguarda, nos termos previstos na Lei n.º 67/98, de 26 de Outubro (Lei de Proteção de Dados).

Política de protecção de dados

Em cumprimento do disposto na Lei n.º 67/98, de 26 de Outubro (Lei de Protecção de Dados Pessoais), que estabelece o direito de informação dos titulares dos dados pessoais, informamos que os dados pessoais fornecidos serão incorporados num ficheiro informático, sob responsabilidade do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., que garantirá a sua confidencialidade e segurança, com a finalidade exclusiva de subscrições da newsletter “A minha pensão”, através do website http://www.aminhapensao.pt

Poderá alterar ou suprimir o seu consentimento a qualquer momento, sem efeitos retroactivos, mediante comunicação por escrito para a direcção de correio electrónico que figura no final da presente nota.

Poderá exercer o seu direito de acesso, rectificação, cancelamento ou oposição ao tratamento dos seus dados pessoais nos termos estabelecidos na lei, através de contacto escrito com o Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., enquanto responsável pelo tratamento, através do endereço Av. Liberdade 222, 1250-148 Lisboa ou ainda usando o endereço de correio electrónico aminhapensao.pt@bbva.com.

Comentários

Carregando...

Ainda não há comentários