Saltar navegação. Ir directamente ao conteúdo principal

A MINHA PENSÃO RESPONDE

Está em:

  1. Inicio
  2. Site
  3. Artigo

Como ter uma família e planear a poupança para a reforma

As diferentes fases da vida implicam custos diferentes. A partir do momento em que existe uma família para sustentar, é preciso equilibrar as despesas imediatas com a poupança que será necessária para o futuro.

Tempo de leitura: 3 minutos

Partilhar

Imprimir
Como ter uma família e planear a poupança para a reforma

Familia revisando una factura - Foto Autor: © Wavebreak Media - www.photaki.es

A planificação financeira e da poupança deve estar em consonância com as fases da vida. Fazer planos aos 20 anos não é o mesmo que fazer planos quando se chega à idade de reforma, da mesma forma que não é igual fazer planos quando não se tem uma família e filhos e quando estes existem. A planificação também dependerá do número de filhos e do facto de o cônjuge trabalhar e gerar ou não rendimentos.
 
O casamento é o primeiro passo para assumirmos responsabilidade sobre outra pessoa e para a incluirmos nas contas pessoais, orçamento e planeamento para o futuro. O passo seguinte são os filhos. Os especialistas recomendam que se calcule a poupança necessária para gastos de educação e despesas gerais pelo menos até à maioridade. É importante perceber como o ter filhos irá causar impacto nas finanças pessoais e nos planos de poupança para a reforma.
 
Uma vez feitos esses cálculos, os especialistas recomendam que se disponha de um capital para fazer frente às despesas gerais com os filhos e família, e ter esse capital em produtos líquidos, que permitem dispor da poupança caso se necessite. É importante ter um capital sempre à mão, numa quantia um pouco superior à inicialmente calculada, para cobrir gastos imprevistos.
 
Contudo, independentemente desse capital, é conveniente manter de forma separada uma poupança intocável, as economias para o futuro para si e para o seu cônjuge. Dessa forma, a vivência quotidiana da família não irá hipotecar as suas necessidades de poupança para a reforma. Se não planificar de forma adequada, é possível que os gastos do dia a dia que é necessário ter com os filhos façam com que chegue à idade de reforma sem a quantidade de poupança suficiente para viver.
 
O ideal é evitar que isso aconteça, fazendo uma planificação correta que permita separar os gastos pessoais e familiares daqueles que precisará de enfrentar na altura da reforma. Ou seja, por um lado terá de planear as despesas do presente e, por outro lado, antecipar as do futuro, e gerir recursos para cobrir ambas.
 
Em caso de divórcio, é necessário mudar toda a planificação baseada em duas pessoas, porém, é preciso ter em conta novas despesas, como a pensão de alimentos dos filhos. Cada mudança pessoal terá de ser acompanhada também por uma mudança na planificação do futuro, recordam os especialistas.
 
E quando os filhos se tornam independentes, é importante poder utilizar os seus recursos financeiros para a realização e diversão pessoal, mas também para reforçar a poupança para a reforma, antecipando as necessidades a longo prazo e trocando os investimentos de maior risco por outros mais seguros, já que o horizonte da reforma está mais próximo.  

Se gostou deste artigo, receba mais informação através da nossa newsletter

Quero subscrever a newsletter

Deixe o seu comentário

Utilize o formulário abaixo para nos dar a sua opinião. O endereço de e-mail é necessário para entrar em contacto consigo.

Condições de subscrição do serviço do Boletim/Newsletter

Os dados de natureza pessoal (Nome/e-mail) solicitados, serão tratados em conformidade com a Lei de Proteção de Dados Pessoais e utilizados exclusivamente com a finalidade de subscrição do serviço do Boletim/Newsletter, através do qual o utilizador autoriza o envio de notícias e novidades de interesse sobre as matérias cobertas pelo website.

Os referidos dados pessoais serão incorporados num ficheiro da responsabilidade do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., que garantirá a sua correta utilização e a sua confidencialidade e salvaguarda, nos termos previstos na Lei n.º 67/98, de 26 de Outubro (Lei de Proteção de Dados).

Política de protecção de dados

Em cumprimento do disposto na Lei n.º 67/98, de 26 de Outubro (Lei de Protecção de Dados Pessoais), que estabelece o direito de informação dos titulares dos dados pessoais, informamos que os dados pessoais fornecidos serão incorporados num ficheiro informático, sob responsabilidade do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., que garantirá a sua confidencialidade e segurança, com a finalidade exclusiva de subscrições da newsletter “A minha pensão”, através do website http://www.aminhapensao.pt

Poderá alterar ou suprimir o seu consentimento a qualquer momento, sem efeitos retroactivos, mediante comunicação por escrito para a direcção de correio electrónico que figura no final da presente nota.

Poderá exercer o seu direito de acesso, rectificação, cancelamento ou oposição ao tratamento dos seus dados pessoais nos termos estabelecidos na lei, através de contacto escrito com o Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., enquanto responsável pelo tratamento, através do endereço Av. Liberdade 222, 1250-148 Lisboa ou ainda usando o endereço de correio electrónico aminhapensao.pt@bbva.com.

Comentários

Carregando...

Ainda não há comentários