Saltar navegação. Ir directamente ao conteúdo principal

A MINHA PENSÃO RESPONDE

Está em:

  1. Inicio
  2. Site
  3. Artigo

História da Segurança Social (parte II)

Retomamos o artigo anterior desta série, para completar a descrição da evolução do regime de Segurança Social no nosso pais. Desta vez, descrevemos os últimos anos, em que tem vindo a ser produzido grande número de alterações legislativas.

Tempo de leitura: 3 minutos

Partilhar

Imprimir
História da Segurança Social (parte II)

A urgência da sustentabilidade

A lei de bases da Segurança Social conheceu importantes regulamentações sucessivas durante os anos de 2000, 2002 e 2007. Ainda que continuando a consagrar o direito de todos à segurança social através do sistema de solidariedade e segurança social, a sucessiva revisão da lei de bases teve como principal objectivo, o aumento da eficácia e da sua gestão mas, sobretudo, assegurar a sustentabilidade financeira do sistema.

A segunda lei de bases do sistema de solidariedade e Segurança Social (Lei n.º 17/2000), renova o direito a todos à Segurança Social através do sistema de solidariedade e Segurança Social, prosseguindo a melhoria das condições e dos níveis de proteção social e o reforço da respetiva equidade; a eficácia do sistema; e a eficiência da sua gestão e a sustentabilidade financeira. O sistema passa a dividir-se em três subsistemas: Proteção social de cidadania, Proteção à família e Previdencial.

Esta é lei de bases é revogada dois anos mais tarde, pela Lei n.º 32/2002. Esta prevê que o sistema se passe novamente a denominar de sistema da Segurança Social, mantendo-se, no entanto, os objetivos e composição, bem como o universo pessoal e material das prestações. O sistema abrange o sistema público de Segurança Social que, por sua vez, integra o subsistema previdencial, o subsistema de solidariedade, o subsistema de protecção familiar, o sistema de acção social e, finalmente, o sistema complementar.

Em 2007, a Lei n.º 4/2007 aprova as bases gerais do sistema de Segurança Social atualmente em vigor. Numa nova reestruturação, o sistema de Segurança Social volta, basicamente, à configuração de 2002 e a ser composto por 3 sistemas:

  • proteção social de cidadania

  • previdencial

  • complementar

Em toda esta sequência de reestruturações e regulamentações das sucessivas leis de bases, várias medidas são revogadas aprovadas a partir do ano 2000. 

Mais concretamente, são melhoradas as condições de acesso ao subsídio social de desemprego, é definida a proteção garantida no âmbito do subsistema previdencial aos trabalhadores que exercem a sua atividade no domicílio sem caráter de subordinação, nas eventualidades de maternidade, doenças profissionais, invalidez, velhice e morte, na sequência da regulamentação do Código do Trabalho e é criado o rendimento social de inserção em substituição do rendimento mínimo garantido (Lei n.º 13/2003). O novo regime pretende reforçar a natureza social da prestação e promover efetivamente a inclusão dos mais carenciados, privilegiando a inserção e introduzindo um maior rigor na atribuição, processamento e gestão da própria medida.

Inserido nas medidas de protecção social de carácter temporário, com vista a responder aos fenómenos de aumento de desemprego em contexto de crise económica, é introduzido o Programa de Emprego e Proteção Social que assegura a redução do prazo de garantia para acesso ao subsídio de desemprego, a majoração do montante do subsídio de desemprego e do subsídio social de desemprego e o acesso à pensão de velhice de desempregados com idade igual ou superior a 58 anos (Decreto-Lei n.º 168/2003).

São também alteradas as regras de acesso à pensão antecipada para desempregados (Decreto-Lei n.º 220/2006), procurando incentivar a permanência dos trabalhadores na vida activa, em sintonia com a evolução da esperança média de vida e reconhecida (através dos Decreto-Lei n.º 216/98, n.º 92/2000 e 327/2000 e da Lei n.º 90/2009), a diferenciação positiva que merecem os portadores de doença grave crónica ou incapacitante no que toca ao acesso à pensão de invalidez.

No desenvolvimento desta nova lei de bases, que integra na previsão do cálculo das pensões de velhice os rendimentos de trabalho – revalorizados - de toda a carreira contributiva, é introduzida através do Decreto-Lei nº 35/2002, uma mudança significativa, ao estabelecerm-se mecanismos redistributivos no âmbito da protecção de base profissional. A fórmula de cálculo da taxa de formação global das pensões é alterada, aplicando-se taxas regressivas de formação da pensão a diferentes escalões de rendimentos, passam a existir novas regras de revalorização da base de cálculo e as carreiras contributivas são privilegiadas.

De carácter mais assistencialista é a criação do complemento extraordinário de solidariedade (Decreto-Lei n.º 208/2001), para os beneficiários das pensões sociais de invalidez e de velhice do regime não contributivo e o complemento solidário para idosos, no âmbito do subsistema de solidariedade, destinado a pensionistas com mais de 65 anos.  

Já os Decreto-Lei 110/2005 e 229/2005 e a Lei n.º 60/2005 estabelecem a uniformização progressiva dos diversos regimes de protecção social (Segurança Social, CGA, etc.), emanando daqui a pensão unificada e a revisão dos regimes que consagram desvios às regras previstas no estatuto da aposentação em matéria de tempo de serviço, idade de aposentação, fórmula de cálculo e atualização das pensões, para determinados grupos de subscritores da Caixa Geral de Aposentações. Por sua vez, o Decreto-Lei n.º 117/2006 define regras especiais aplicáveis às situações de transição para os trabalhadores da administração pública com contrato individual de trabalho. A Lei n.º 52/2007, de 31 de agosto, adapta o regime da Caixa Geral de Aposentações ao regime geral da Segurança Social em matéria de aposentação e cálculo de pensões aos subscritores da Caixa Geral de Aposentações inscritos até 31 de agosto de 1993.

O indexante dos apoios sociais é instituído pela Lei n.º 53-B/2006, de 29 de dezembro, que fixa, igualmente, as regras da sua actualização. As pensões e algumas das outras prestações do sistema de Segurança Social passam a ser atualizadas em função do montante deste vector.
No âmbito do sistema complementar, em 2006 é transposta a Directiva Europeia relativa às actividades e à supervisão das instituições de realização de planos de pensões profissionais, tendo procedido à revisão geral do regime dos fundos de pensões e incrementando o nível da protecção de participantes e beneficiários.

É definida a protecção garantida no âmbito do subsistema previdencial aos trabalhadores que exercem a sua actividade no domicílio nas eventualidades de maternidade, doenças profissionais, invalidez, velhice e morte.

As mudanças mais significativas introduzidas pela nova Lei de Bases de 2007 são trazidas pelas alterações previstas pelo Decreto-Lei 187/2007. Numa tentativa de responder aquelas que pareciam ser as maiores ameaças à sustentabilidade do sistema, corporizadas pelos riscos do envelhecimento demográfico da população portuguesa, é introduzido um factor de sustentabilidade na determinação do valor das pensões. Estas, por sua vez, sofrem alterações às suas regras de cálculo – que passam a ser calculadas com base na média ponderada de toda a carreira contributiva.

Num esforço de mitigação destes efeitos penalizadores, o mesmo Decreto-Lei prevê novamente a flexibilidade da idade de reforma, seja por via das chamadas reformas antecipadas, ainda que com penalizações maiores (4,5%/ano), seja por bonificações conseguidas na formação da pensão por cada mês de trabalho efectivo para além do momento de acesso à pensão completa. A constituição e funcionamento do regime público de capitalização, de adesão individual e voluntária, bem como do respectivo fundo de certificados de reforma, são introduzidos em 2008. 

Regime público de capitalização
 Ano  Factos e acontecimientos
 Final do século XIX  Nascem as primeiras associações corporativas de protecção social
 1935  Introdução do seguro social. Primeiras pensões de velhice e invalidez
 1962  Reforma da Segurança Social com o alargamento do regime de protecção social aos trabalhadores da indústria, comércio e serviços
 1972  Criação do estatuto e enquadramento legal da aposentação dos funcionários públicos
 1974  Transição para um sistema unificado de Segurança Social; criação da pensão de invalidez e do 13º mês para pensionistas
 1975  Primeira regulação do financiamento do Estado no financiamento do sistema de pensões da Segurança Social; introdução de pensões de sobrevivência para trabalhadores rurais
 1977 Nova orgânica da Segurança Social; Inclusão de trabalhadores domésticos e de condição de recurso para maiores de 65 anos; redução do período mínimo contributivo
 1980  Definição do regime não-contributivo
 1984  Primeira Lei de Bases da Segurança Social; sistema passa a ser financiado com contribuições de empregados e empregadores, com o Estado a assumir as transferências para o regime não-contributivo; actualização valores pensões com inflação
 1986  Determinação das contribuições regulares para o regime normal da Segurança Social: 11% para trabalhadores e 24% para empregadores
 1990  Introdução do 14º mês (Subsídio de Natal) para pensionistas
 1993  Reforma do regime geral da Segurança Social; aumento dos períodos de garantia e da idade de reforma para as mulheres (de 62 para 65)
 2000  Nova Lei de Bases da Segurança Social
 2002  Nova Lei de Bases da Segurança Social; convergência das pensões mínimas para SMN; revisão formas de cálculo pensão que levam em conta toda a carreira contributiva
 2003  Rendimento Social de Inserção
 2005  Inicia-se a uniformização progressiva dos diferentes regimes
 2006  Introduzido o Indexante dos Apoios Sociais, a partir do qual passam ser calculadas todas as prestações do Estado.
 2007  Nova revisão da Lei de Bases da Segurança Social;   transposição para a Caixa Geral de Aposentações, com regime transitório até 2015. Introdução de factor de sustentabilidade e alargamento do período de calculo da remuneração de referência para toda a carreira contributiva, de forma gradual. 

Fonte: CGA, Ministério da Solidariedade Solidariedade, Emprego e Segurança Social
Guião: Instituto BBVA de Pensões, sobre texto da Segurança Social

Se gostou deste artigo, receba mais informação através da nossa newsletter

Quero subscrever a newsletter

Deixe o seu comentário

Utilize o formulário abaixo para nos dar a sua opinião. O endereço de e-mail é necessário para entrar em contacto consigo.

Condições de subscrição do serviço do Boletim/Newsletter

Os dados de natureza pessoal (Nome/e-mail) solicitados, serão tratados em conformidade com a Lei de Proteção de Dados Pessoais e utilizados exclusivamente com a finalidade de subscrição do serviço do Boletim/Newsletter, através do qual o utilizador autoriza o envio de notícias e novidades de interesse sobre as matérias cobertas pelo website.

Os referidos dados pessoais serão incorporados num ficheiro da responsabilidade do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., que garantirá a sua correta utilização e a sua confidencialidade e salvaguarda, nos termos previstos na Lei n.º 67/98, de 26 de Outubro (Lei de Proteção de Dados).

Política de protecção de dados

Em cumprimento do disposto na Lei n.º 67/98, de 26 de Outubro (Lei de Protecção de Dados Pessoais), que estabelece o direito de informação dos titulares dos dados pessoais, informamos que os dados pessoais fornecidos serão incorporados num ficheiro informático, sob responsabilidade do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., que garantirá a sua confidencialidade e segurança, com a finalidade exclusiva de subscrições da newsletter “A minha pensão”, através do website http://www.aminhapensao.pt

Poderá alterar ou suprimir o seu consentimento a qualquer momento, sem efeitos retroactivos, mediante comunicação por escrito para a direcção de correio electrónico que figura no final da presente nota.

Poderá exercer o seu direito de acesso, rectificação, cancelamento ou oposição ao tratamento dos seus dados pessoais nos termos estabelecidos na lei, através de contacto escrito com o Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S. A., enquanto responsável pelo tratamento, através do endereço Av. Liberdade 222, 1250-148 Lisboa ou ainda usando o endereço de correio electrónico aminhapensao.pt@bbva.com.

Comentários

Carregando...

Ainda não há comentários